Oops! This site has expired. If you are the site owner, please renew your premium subscription or contact support.

Teoria do Futebol

Tudo sobre Futebol, os metodos, os conceitos, os princípios, 
os processos e toda a organização tatica do futebol!

O que fazer para criar mais situações de finalização? - Parte 2

Após ter escrito o último artigo, onde falei do que é necessário para criar mais situações de finalização (tais como não jogar à defesa ou focar o trabalho no coletivo), resolvi aprofundar a questão, tentar perceber o jogo por dentro e como podemos criar mais situações de finalização. Em qualquer contexto que vamos trabalhar, temos que explorar a natureza desse contexto e agir conforme a sua natureza.

Compreender o jogo é necessário para que o possamos jogar futebol. Compreender qual é o melhor caminho para a vitória, sabendo que o jogo tem a sua complexidade, permite traçar um caminho para alcançar o sucesso. Sabemos que qualquer jogador tem os seus pontos fortes e fracos. Podemos explorar os pontos fortes a favor do coletivo, da mesma forma que podemos usar o coletivo para esconder os pontos fracos de cada jogador. Explorar os pontos fortes e esconder os fracos é uma ótima definição para “tática”.


Não podemos dizer que um “4-3-3” é uma tática, nem o “4-4-2”. Isso são apenas números para designar a disposição dos jogadores pelo campo. A tática, são os processos de jogo, a estratégia, os comportamentos coletivos, que levam os pontos fortes dos jogadores a serem bem explorados e os pontos fracos a serem bem escondidos.


Por exemplo, se eu tenho um extremo que não sabe segurar a bola quando está sozinho contra dois adversários, e tem o costume de os tentar ultrapassar, eu sei que ele vai perder a bola muitas mais vezes do que terá sucesso. Então, eu posso fazer um médio ou lateral abrir uma linha de passe, para receber a bola em segurança e a equipa escolher outro caminho. Assim, não perco a bola desnecessariamente e mantenho o controlo do jogo. Isso é a tática do jogo. O “4-3-3” diz isso em algum lado?


Em outra situação, sabemos que o adversário vai contra-atacar com uns 4 jogadores pelo meio. O que podemos fazer para esse jogo? Sabemos que temos dois defesas centrais, mas e daí? Eles estão lá para jogar sozinhos? Eu posso deixar um lateral junto a eles, um trinco a fechar espaço na frente, e fazer os médios e atacantes pressionar para retardar a saída do adversário e dar mais tempo à defesa para se recompor. Isso dá para desenhar num “4-4-2”?

O que podemos fazer para criar mais situações de finalização?

O trabalho do treinador é organizar a equipa. Abel Xavier, não fique zangado comigo se eu discordar que um treinador treina a dor, mas o trabalho do treinador é mesmo criar condições no contexto coletivo para vencer mais vezes. Talvez possamos então juntar numa lista, algumas coisas que nos ajudam a ter mais hipóteses de criar mais situações de golo.

Atacar só por atacar, não chega

O alvo é e será sempre a baliza. Mas atacar sem saber o que se vai fazer é mais propício a perder a bola do que a ficar com ela. Muitos foram ensinados em que é preciso sempre dar mais e o esforço no jogo vêm do esforço físico. Podem até estar a chegar ao fim do jogo e não ter mais pernas, porque deixaram de controlar o ritmo do jogo e continuarão a atacar até não poder mais.


Um facto, é que, quando estamos na posse de bola, podemos escolher entre ficar com ela ou atacar. O jogo não obriga a atacar se não temos condições para isso, como um adversário fechado ou os nossos jogadores a precisarem de uns segundos para recuperar o fôlego. Se não dá para atacar, então, porque atacar e perder a bola? Se não conseguimos atacar, conseguimos defender?

Manter linhas de passe em aberto, sempre

O portador da bola tem, geralmente, quatro opções diferentes: segurar a bola, passar, ultrapassar adversários, ou se não conseguir fazer mais, perder a bola. Segurar a bola é uma opção para esperar pelos colegas de equipa e pelo momento certo para soltar a bola. Se o portador tem a bola no pé e não tem opções para seguir no terreno, então, segura a bola e espera pelos colegas de equipa. É uma solução melhor do que a perder. 


Quanto ao passe, este é feito com o objetivo de dar seguimento ao jogo ou manter a posse. Um passe para trás não é necessariamente um mau passe quando é a melhor opção a fazer. Se as condições de dar seguimento ao jogo são péssimas, como ter os colegas bem marcados ou que dificilmente recebem a bola, então, não há obrigação de passar a bola. Se o risco em perder a bola é demasiado grande num passe, então, a capacidade da equipa em criar uma situação de finalização a partir desse passe é muito menor. 

Ultrapassar adversários tem outra complexidade diferente. Quais são as razões que devem levar o portador da bola a ultrapassar um adversário? O portador da bola deve ultrapassar um adversário quando: está perto da baliza adversária; tem capacidades técnicas para o fazer; tem a quem passar a bola para dentro da área; ou possibilidade de remate. Tudo o resto, deve ser feito através do passe, tabelas ou combinações. Qualquer jogador tem que saber passar e receber a bola, porque é a melhor ação técnico-tática para aproximar a bola da baliza. 


Em último, perder a bola é uma ação desnecessária, obviamente. Se o portador da bola tenta passar para um jogador marcado pelo adversário, claramente decidiu perder a bola. Se o risco em criar algo de sucesso é praticamente nulo, então, porquê perder a bola? Não é melhor a manter? Não é melhor gerir o ritmo do jogo, fazer circular a bola e esperar pelo momento em que há condições para atacar, do que perder a bola?

Manter uma equipa de 11 jogadores, e não três ou quatro grupos dentro do campo

Vamos pensar assim: eu sou defesa centro e à minha frente, tenho um médio. Sabendo que o médio vai arriscar mais do que eu, pode perder a bola mais vezes, logo, eu tenho que estar preparado. E só estarei preparado se souber o que ele vai fazer, para prever o jogo. E depois: eu sou o médio. Eu sei que tenho um defesa atrás de mim, que vai fechar o espaço para eu tentar atacar. Assim, se eu perder a bola, eu sei que ele vai lá estar. Aqui, os dois jogadores têm que se conhecer mutuamente. Cada um tem que saber o que o outro vai fazer.


Mas dentro do campo, as funções dos jogadores não se resumem a dois jogadores. Não são eles que tem que se conhecer, são todos. O médio sabe que tem um defesa atrás para o proteger se perder a bola, mas sabe que tem uma linha de passe segura. O defesa, tem que saber que é uma linha de passe, e tem que manter uma certa distância para que essa linha de passe seja segura. Depois, um lateral por exemplo, sabe que se o médio passar para trás ou perder a bola, tem que recuar. Tem que dar apoio ao defesa se é agora o defesa que tem o jogo na sua frente. 


Esse mesmo médio, também tem que saber qual é o comportamento dos extremos e atacantes por exemplo. Como é que o extremo vai colocar a bola na área? O que o atacante faz se tiver a bola na sua posse? Se for esse médio o responsável por dar uma linha de passe segura aos dois jogadores, deve estar nas suas costas, em condições de receber a bola. Esses dois jogadores sabem que, se não tiverem como criar uma situação de finalização, tem um colega a quem passar a bola, para não a perder e reduzir as hipóteses de perder a bola de poucas para nenhuma.


Estes comportamentos coletivos, onde cada um sabe o que os outros vão fazer, e os outros sabem o que cada um faz, ajudam a equipa a manter a posse de bola. Desta forma, não temos que jogar ao calha e depois andar a correr atrás da bola. O jogo deve ser pensado, e correr deve ser um recurso, sempre, seja para atacar, seja para defender.

Os jogadores têm que ser rápidos, a pensar……….

A velocidade no futebol não se vê por aquele jogador que corre mais, mas por aquele que pensa mais rápido. E, para ser rápido, não vale a pena tomar uma decisão rapidamente sem saber o que está a decidir, sem conhecer o jogo. 


Conhecer o jogo é fundamental. Eu serei um excelente administrador de uma empresa, se souber administrar. Serei um excelente treinador, se souber treinar. E serei um excelente jogador, se conhecer o jogo.


O treinador pode pedir que eles sejam rápidos, que passem a bola rapidamente, etc. Mas, se não há condições para passar ou progredir, os jogadores têm que perceber RÁPIDO que se tentarem, vão perder a bola desnecessariamente. Então é que eles vão ter que ser rápidos a correr atrás da bola. 

Não importa ser o mais rápido a correr ou a fintar, quando se faz uma finta sem sentido ou se corre numa direção qualquer. Importa ser rápido a pensar o jogo. 

E sem esquecer, o jogo está sempre a evoluir

Os treinadores também precisam estar sempre a evoluir, porque são cada vez mais as pessoas ligadas ao futebol, logo, são cada vez mais as ideias que vão surgindo. É preciso estar dentro de tudo o que aparece novo no futebol. Se há algum tempo, correr mais e durante mais tempo parecia ser o bolo todo, hoje são só migalhas. Mas para muitos, que não se dedicaram a aprender, correr ainda é tudo

Assine agora e receba todas as novidades por e-mail

E faça download do ebook 72 exercícios para as fases do jogo imediatamente. Clique aqui para saber mais
endereço de email
*
campayn