Oops! This site has expired. If you are the site owner, please renew your premium subscription or contact support.

Teoria do Futebol

Tudo sobre Futebol, os metodos, os conceitos, os princípios, 
os processos e toda a organização tatica do futebol!

Artigos

Ainda acredita que a equipa que domina a posse de bola, domina o jogo?

Posted by Valter Correia on April 25, 2014 at 4:50 PM

       Não acredito que ninguém não saiba nada de futebol. Custa-me é ver quando alguém é exigente demais com algo que não percebe na sua complexidade e todo o seu meio envolvente. Custa-me ler notícias e comentários pela internet, em que grandes treinadores são mal falados pelos adeptos das equipas que treinam. Custa-me que alguns conceitos trabalhados no futebol sejam transmitidos da forma errada, levando tantos adeptos a ver algo que não existe.





       Hoje, publico este artigo, em honra a Tito Vilanova, que todos sabemos quem é, que Deus escolheu que ele se sentasse ao seu lado. Tito Vilanova fez parte do Tiki-taka ao lado de Pep Guardiola no Barcelona, com a tão temida posse de bola.

       Quebrando o mito da posse de bola

       Jogar em posse de bola não significa ter 70% de posse de bola em todos os jogos. Nem ter a bola continua a ser uma obrigação para chegar à vitória. Mesmo tendo a bola durante 60 minutos, e criando perigo durante 20 minutos, o seu adversário terá apenas 30 minutos de posse de bola e igualmente pode criar perigo durante 20 minutos.
Geralmente, uma das estatísticas que surgem na televisão, refere imediatamente na quantidade de posse de bola que a equipa teve durante o jogo. A partir dessa estatística, facilmente dizemos que determinada equipa dominou o jogo, mas devemos discordar desse tipo de argumentos.


       A qualidade de como a equipa defende, de como ataca e de como transita entre momentos, tem muito mais peso para ter sucesso do que a percentagem de posse de bola. A mim, pouco me importa ter a bola se não consigo passar do meio-campo. Para isso, mais vale oferecer a bola ao adversário, deixá-lo libertar espaço e contra-atacar. Tenho menos posse de bola, mas posso ter mais sucesso porque a equipa tem mais espaço para aplicar os princípios de jogo que treinou e para aplicar a estratégia que escolheu para essa partida.

       O espaço – tempo como forma de ver futebol

       Existe uma relação entre espaço e tempo na forma como a equipa comanda todas as situações que surgem durante o jogo, seja a atacar, seja a defender. Em cada situação, há espaços que são ou não ocupados, existem ações técnico-táticas, e princípios de jogo que orientam cada uma das ações, onde cada movimento leva mais ou menos tempo a ser efetuado.
Para uma grande equipa, importa que os espaços vitais sejam corretamente ocupados no menor tempo possível quando está a defender e que sejam corretamente explorados no menor tempo possível quando está a atacar. Por outras palavras, importa realizar ações de sucesso no menor tempo possível.

       Ser uma equipa de posse de bola, não depende então de quanto tempo se consegue ter a bola em sua posse, porque não é possível dissociar o tempo com bola e como gere o espaço através dos números que a televisão nos mostra. Ser uma equipa de posse de bola, significa que a equipa é capaz de ter a bola, e tem princípios bem assimilados que fazem com que a equipa seja capaz de explorar espaços vitais adversários sem perder a bola. Como tal, uma posse de bola de sucesso, não tende apenas a ser elevada, como demonstrará outras estatísticas bem elevadas ao fim de uma partida.


       Suponhamos que num jogo, uma equipa tem 60% de posse de bola, e criou apenas 4 oportunidades para golo. Já o seu adversário, com os 40% de posse de bola, criou 10 oportunidades de golo. Será que a primeira equipa dominou o jogo, se foi a segunda que teve mais oportunidades para ganhar?





       Dominar a posse de bola como forma de dominar um jogo é um mito. É o jogo que deve ser dominado, são as ações que devem ser dominadas, e não a posse de bola.

       Se temos um modelo de jogo que pede para alguns jogadores entrarem em finta, de pouco nos serve fazê-los e entrar na finta se estes não tem espaço para o fazer. Estamos a queimar uma oportunidade de progredir em vão ao fazê-lo. Mas, se a equipa se sabe movimentar, se sabe abrir espaços para esse jogador entrar na finta, então tem muitas mais probabilidades do jogador obter sucesso e parecer melhor do que realmente é.


       Isto quer dizer que, para que um jogador tenha mais hipóteses de ganhar um lance, toda a equipa precisa de o apoiar direta e indiretamente. Então, jogar em posse não representa ter uma elevada percentagem de posse de bola. Isso é apenas a consequência da equipa jogar em apoio durante 90 minutos. Novamente, jogar em posse de bola, representa pensar o jogo, procurar espaços, procurar ocasiões, procurar momentos certos, e fazê-lo tantas vezes que a percentagem da posse de bola acabará por ser elevada.

       Os números contra os factos

       Podemos ficar com uma ideia de como correu o jogo, apreciando apenas as estatísticas desse mesmo jogo, mas não podemos saber como as equipas atacaram, o que aconteceu nos cinco momentos de jogo, nem saber qual foi a estratégia da equipa. Números não representam o jogo, pelo menos os que são mostrados na televisão. Representam uma parte resumida do jogo, que é totalmente diferente de representar o jogo.


       Portanto, posse de bola é uma consequência das várias variáveis do jogo, não é um fator que nos indica qual foi a equipa dominadora.


       Artigos relacionados



bet365



Categories: Teoria Tactica

Post a Comment

Oops!

Oops, you forgot something.

Oops!

The words you entered did not match the given text. Please try again.

Already a member? Sign In

0 Comments