Teoria do Futebol

Tudo sobre Futebol, os metodos, os conceitos, os princípios, 
os processos e toda a organização tatica do futebol!

O que devemos ter em atenção para melhorar a forma da equipa?

O que é uma equipa em boa forma? Nos tempos de hoje, muitos ainda acreditam que a forma desportiva ideal é obtida quando se obtém a forma física. Nada mais falso. A verdade é que para alcançar uma forma física desportiva elevada, mais do que a forma física (que não é descartável), há outros aspetos que devemos ter toda a atenção para perceber o que é a forma desportiva.

Mas antes disso, só para fazer um reparo, é falso que a forma desportiva seja a forma física, mas isso não indica que a forma física deva ser descartada. Aliás, a forma física está presente em tudo o que fazemos. Ainda que não seja muita, eu preciso de força para escrever este artigo, mas preciso de força., tal como o futebolista precisa de força para fazer qualquer ação no campo. Isso não quer dizer que a dimensão física seja única no futebol, como sabemos que alguns defendem, porque não é a única.

Forma mental dos atletas

Todos nós sabemos que a motivação é importante no desporto. Mas, forma mental vai mais além do que isso. A forma mental de um jogador vê-se pela sua capacidade em tomar decisões, pelo seu desgaste mental, pelo seu desgaste emocional, pelo seu conhecimento do jogo, etc.


Um jogador estará mais hábil a jogar futebol se a sua mente estiver preparada para isso. Tal implica que o cansaço seja o mínimo possível durante a partida. Por exemplo, viajar de avião antes dos jogos ou longas viagens de autocarro, contribuem para o cansaço mental do jogador. Ficar acordado até mais tarde no dia anterior ao jogo também contribui para isso. O descanso é essencial para atingirmos uma forma mental elevada.


O conhecimento que o jogador tem pelo jogo também vai ajudá-lo a estar numa forma mental maior ou menor. Um jogador que conhece menos o jogo ou o que lhe é pedido, estará mais exporto a cometer erros ou a não fazer ações que deveria fazer naquele momento do que um jogador que conhece melhor o jogo.

O desgaste emocional também influencia na forma mental dos atletas. Estar desmotivado é perder força de vontade. E quem não tem vontade, não faz. Se um dos jogadores de uma equipa está desmotivado, ele vai fazer menos do que aquilo que ele pode fazer.

Forma desportiva a nível de processos coletivos

O futebol é um jogo coletivo. Logo, devemos pensar em contruir processos coletivos de qualidade. A maneira como a equipa a ataca, a maneira como a equipa defende, como recupera a bola, como mantem a bola, como a leva ao ataque, os comportamentos coletivos, tudo isso são processos coletivos que o treinador deve desenvolver.


Se um jogador tem a bola, será mais fácil para ele dar continuidade ao jogo se tiver várias linhas de passe. Se um jogador perde a bola, será mais fácil para a equipa a recuperar quando tem jogadores por perto para pressionar. Se o adversário circula bem a bola, é importante saber pressionar para levá-lo ao erro e a perder a bola.


Melhor. Criar processos coletivos e bem assentes é extremamente importante por uma razão muito simples. Se eu tenho a bola, preciso saber o que os meus colegas estão a fazer ou vão fazer, para que eu possa tomar decisões favoráveis.

Fomos buscar um exemplo simples. Na jogada seguinte, o facto de os jogadores conhecerem as funções dos colegas, ajudou a fazer o golo. A Jogada inicia com uma tabela. O portador da bola sabe que se passar a bola, ele lhe vai devolver. Então ele pode arrancar para recuperar a bola e continuar mais à frente. O segundo jogador, sabe que terá que perceber para onde o colega se movimenta e fazer um passe mais preciso. Os dois jogadores precisam se conhecer mutuamente para que a tabela seja bem-sucedida. Quando melhor se conhecerem, mais sucesso terão em todas as tabelas que fizerem juntos, levando a uma forma desportiva superior. O resultado disso é criar mais oportunidades de golo e perder menos vezes a bola, ou seja, uma forma desportiva coletiva superior

Processos coletivos de qualidade

Mas só fazer tabelas não chega. Processos coletivos de qualidade são aqueles dão mais opções ao portador da bola. Por exemplo, em vez de limitar um jogador a fazer uma tabela com outro, porque não criar condições para que ele possa decidir entre tabelar com o primeiro jogador, progredir no terreno do jogo, manter a bola ou passar a bola a outro jogador? Em vez de limitar os jogadores a processos que os treinadores desenham no papel, porque não os estimular à criatividade? Afinal de contas, são eles que estão em jogo e que veem quais são as condições em que estão e qual é a melhor solução do momento.


Por exemplo suponhamos que a tabela do vídeo acima era praticamente impossível de dar certo. Então, o jogador que recebe a bola em primeiro, pode decidir entre manter, progredir ou passar a outro em vez de tabelar. Assim, pode escolher mais caminhos do que aquele que seria pior. A longo prazo, isso seria perder a bola menos vezes, e assim apresentar uma forma coletiva superior.

Qualidade técnica

Os melhores jogadores são aqueles que conseguem realizar as melhores ações possíveis. Porque ser alto e forte não chega, quando a bola queima nos pés. Porque correr muito não chega, se depois cruza sem nexo. O jogador tem que saber receber, tem que saber decidir, tem que saber manter e tem que saber realizar uma ação na bola. Qualidade técnica é a capacidade do jogador em realizar as ações técnico-táticas com a bola (passar, receber, desarmar, cruzar, cabecear, rematar, driblar, fintar, simular e proteger), e com isso realizar ações coletivas necessárias para proteger a baliza ou atacar a baliza adversária.


O golo é o objetivo do jogo, mas não podemos menosprezar a capacidade da equipa de manter a bola ou de proteger a baliza. Se nós tivermos 11 pés de chumbo, manter a bola numa situação em que precisamos recuperar o fôlego, torna-se, assim, mais difícil. E se não somos capazes de manter a bola, perdê-la mais vezes significa poder perder a bola mais vezes, logo, uma forma desportiva inferior.

Disponibilidade, agressividade, preponderância, objetividade

Mas uma equipa não se faz só de processos coletivos e fintas. A disponibilidade dos jogadores para as ideias do treinador é fundamental, de tal forma que o jogador tem que ser disponível para trabalhar as ideias do treinador, com profissionalismo, com vontade, com foco nessas ideias e no coletivo, sendo “agressivos” nas ideias coletivas. Um treinador pode ter à sua disposição, os melhores jogadores do mundo. Mas, se eles não querem fazer nada do que lhes é pedido, dentro de campo eles farão do jogo um caos maior do que já é.

Conclusão

A forma desportiva, não se resume apenas em ter a melhor defesa, ter o melhor ataque ou alcançar mais vitórias ou acabar em primeiro. Isso são números que muitas vezes escondem a forma desportiva. A forma desportiva é a capacidade da equipa em resolver os problemas do jogo, para que vença mais vezes, para ter o melhor ataque ou defesa, e para que possa acabar o campeonato em primeiro. Uma equipa em baixa forma desportiva nunca acabará um campeonato em primeiro lugar.

Assine agora e receba todas as novidades por e-mail

E faça download do ebook 72 exercícios para as fases do jogo imediatamente. Clique aqui para saber mais
endereço de email
*
campayn