Teoria do Futebol

Tudo sobre Futebol, os metodos, os conceitos, os princípios, 
os processos e toda a organização tatica do futebol!

Como funcionam os princípios da flutuação e do equilíbrio defensivo?

Se começarmos agora a falar de futebol, temos imensos assuntos para discutir, como psicologia, treino, organização tática, princípios de jogo e até como ganhar dinheiro com o futebol. Apesar de ser futebol que vamos estudar neste artigo, não vamos estudar tudo o que existe neste desporto, mas apenas estudar dois princípios de defesa: equilíbrio e flutuação.

O que é a flutuação?

Geralmente, as equipas que se servem da flutuação ou basculação como princípio estrutural de defesa e principal método defensivo, orientam-se em função da bola. Seguem a bola, movimentam-se para onde a bola for, e ocupam o espaço em volta da bola, obrigando o adversário ao erro ou tentando o desarme. Segundo Vasquez Folgueira (2001), a flutuação refere-se à movimentação em largura quando o adversário passa a bola entre diferentes zonas do campo, movimentação essa coordenada entre os vários jogadores da equipa. Por exemplo na figura a seguir, a equipa ocupa o espaço onde se encontra a bola:

Em que situações utilizar a flutuação?


Vamos pensar em conjunto: se com a flutuação, os jogadores se organizam em volta do centro de jogo, para levar o adversário ao erro ou tentar o desarme, como podemos desenvolver uma forma de jogar em volta deste princípio? Em primeiro lugar, precisamos saber como o adversário vai tratar a bola, para onde a vai levar e o que vai tentar fazer com ela. É fulcral saber em que momento devemos recuperar a bola, para que o nosso processo ofensivo seja mais eficaz e facilitado. Em segundo lugar, organizamos a equipa para recuperar a posse de bola:


  • Antes de a bola ser recuperada: movimentando-se sempre com o espaço fechado
  • Recuperando a bola: especialmente se for o momento certo para o fazer
  • Tratando bem a bola: não vale a pena perder a bola logo após a recuperar

Mas, porquê tratar bem a bola depois de a recuperar, e como o fazer?


Podemos utilizar duas estratégias diferentes. Se o adversário liberta muito espaço no seu lado do campo, tentar o contra-ataque é uma boa estratégia. Mas se o adversário causa demasiada pressão no centro de jogo, ou dispõe de muitos jogadores nessa zona, ou ainda ocupa bem o seu espaço defensivo, não adianta tentar ações ofensivas com a bola. O risco é muito elevado. Existe um termo, "retirada da pressão" ou como quiserem chamar, onde o portador retira a bola da zona de pressão logo após a recuperar, passando a mesma a um colega de equipa. Esse colega, agora com mais espaço, pode voltar a libertar para outro colega ainda com mais espaço para jogar ou iniciar uma jogada ofensiva. Mesmo que a equipa perca a posse nessa jogada ofensiva, perdeu tentando levá-la à baliza adversária com um propósito, logo não será em vão.

O que é o equilíbrio defensivo?

Nem sempre é necessário criar zonas de pressão para forçar o adversário a cometer erros. Muitas vezes é mais fácil não permitir ao adversário ter por onde progredir, que ele mesmo encarrega-se de cometer erros sem grande pressão defensiva da nossa equipa. Evidentemente que não refiro deixar o adversário entrar na nossa zona defensiva e fazer da bola o que quiser. A função do equilíbrio defensivo será organizar os jogadores no espaço defensivo de forma homogénea pela amplitude do campo, sempre com ações de desarme e pressão quando a bola passa perto de um jogador.


Em que situações utilizar o equilíbrio defensivo?


Apesar de a flutuação estender a ocupação do espaço numa determinada área, essa ocupação deve ser equilibrada. Significando isso que, se o espaço em volta da zona da bola for demasiado ocupado, isto é, tem muitos jogadores nessa zona, significa que vai haver espaços no campo sem ocupação, espaços livres, por onde o adversário pode levar a bola e criar situações a partir daí. O princípio do equilíbrio defensivo busca contornar esse problema, dividindo os jogadores de forma equilibrada no espaço do campo. Para isso, necessitamos de dividir os jogadores entre centro de jogo e fora do centro de jogo, assim como dividir os jogadores no espaço no centro do jogo e fora do centro do jogo.

Portanto, se o adversário ataca em pontos diferentes da nossa defesa onde não sabermos por onde vai atacar, a melhor opção é mesmo defender todo o nosso campo de forma equilibrada, e reagir rapidamente quando o adversário entra numa zona. Como mostra a figura, não importa por onde ataque o adversário, que encontrará sempre dificuldades por parte da nossa equipa.


Que vantagens têm a nossa equipa com o equilíbrio defensivo?

       

Imensas, obviamente. Podemos até referir que a marcação à zona é orientada pelo princípio do equilíbrio defensivo. A principal vantagem é manter o espaço sempre ocupado, mesmo quando dois ou três jogadores se soltam para pressionar o adversário. Mesmo nessa situação, restam sempre jogadores em cobertura defensiva, jogadores a ocupar o corredor lateral contrário, jogadores perto do centro do jogo prontos para entrar em ação ou fechar linhas de passe, assim como jogadores-chave adversários sempre pressionados por jogadores da nossa equipa.

Como relacionar estes dois princípios com o tamanho do campo?

Para fazer esta relação, vamos distinguir apenas dois tipos de campos de futebol: com muitíssima amplitude, e com pouquíssima amplitude. E se o leitor assim pretender, pode estudar porque o tamanho do campo influencia no rendimento das equipas para entender melhor a questão agora apresentada: como relacionar estes dois princípios com o tamanho do campo?


>>> Em campos com baixa amplitude


Servir-se da flutuação pode ser um excelente método defensivo. Quando a equipa joga em campos pouco largos, e movimenta-se em função da bola, basculando, existirá sempre uma pressão elevada em volta do centro de jogo. Uma vez que o campo é pouco largo, a equipa demora pouco tempo a flutuar entre um corredor e o outro, alcançando rapidamente o espaço onde se encontra a bola. Isto quer dizer que, em campos pouco amplos, a flutuação irá criar elevada pressão em cima do adversário com facilidade


>>> Em campos com elevada amplitude


Servir-se da flutuação para um campo tão largo, desgastando tanto os jogadores e fazendo-os perder tanto tempo a movimentar-se entre corredores é consideravelmente um erro, exceto se o adversário não tenta ampliar o seu jogo ofensivo. No futebol, consegue-se fazer a bola se mover mais depressa que os jogadores. Se vamos utilizar a flutuação, chega uma altura que o adversário nos encontra num lado do campo, e coloca a bola no outro lado do campo, onde tem espaço para jogar. Isso fará a nossa equipa não ter tempo suficiente para cobrir esse espaço, o que pode originar situações desvantajosas para a nossa equipa. O essencial para campos de elevada amplitude é ocupar o espaço horizontal de igual forma, e deixar apenas um pequeno espaço no corredor contrário à posição da bola. Mesmo que o adversário coloque rapidamente a bola nesse corredor, a nossa equipa tem jogadores perto dessa zona e fará pressão rapidamente.

       Cito ainda que, a flutuação e equilíbrio são apenas dois princípios para organizar a organização defensiva da nossa equipa e que não devemos depender desses princípios para essa organização. Existem outros fatores, como a estratégia adversária por exemplo, ou a posição das linhas de marcação.

Assine agora e receba todas as novidades por e-mail

E faça download do ebook 72 exercícios para as fases do jogo imediatamente. Clique aqui para saber mais
endereço de email
*
campayn