Teoria do Futebol

Tudo sobre Futebol, os metodos, os conceitos, os princípios, 
os processos e toda a organização tatica do futebol!

Artigos

Referencias fundamentais no ensino do jogo

Posted by Valter Correia on June 15, 2011 at 7:30 PM

       Quando pensamos em ser treinadores, pensamos sempre em ganhar títulos. Os mais pequenos também sonham em ser grandes avançados. Mas nunca nos lembramos que, para chegar a um objetivo, é preciso trabalhar. E muito.


 

       Pois então, o que deve o treinador ensinar à sua equipa?


 

       Os jogos desportivos coletivos apresentam princípios comuns entre esses jogos. Mas cada jogo têm os seus princípios distinos e futebol não é exceção. Este jogo desportivo exige que o atleta saiba responder eficazmente a cada situação criada dentro das linhas que definem o campo de jogo. Existem condicionantes estruturais e funcionais que "definem" o comportamento dos jogadores.


 

       Vejamos:


 

       Dimensão do terreno e número de jogadores:  quanto maior for o terreno de jogo, maior  terá de ser a capacidade da equipa em ocupar esse espaço. Por isso, com um número maior de jogadores, mais complexa se torna a leitura do jogo. É importante para um jogador de futebol desenvolver a percepção sobre o jogo, de forma a manter um comportamento tático e a concentração. Já num espaço menos complexo, ou seja menor e com menos jogadores, os conceitos que se aplicam no jogo, desde princípios às regras, tornam-se mais fáceis de serem compreendidos. Das grandes equipas, faz parte do treino exercícios com poucos jogadores para treinarem as situações do jogo.


 

       Duração do jogo: o jogador deve estar física e mentalmente preparado para responder rápido, com eficácia e cordenação aos problemas criados durante a partida. O jogo sem bola é fundamental, pois, em média, um jogador tem a bola em sua posse durante um minuto aproximadamente. Durante o tempo que os jogadores estão sem bola, os jogadores selecionam informações, analisam e tomam decisões, segundo nos explica Bauer & Ueberle (1988 ).


 

       Controlo da bola:  A bola, é o objeto do jogo pela qual os jogadores das duas equipas lutam pela sua posse durante esse jogo. Manter a sua posse é fundamental, e isso só acontece com um bom controlo de bola. No futebol, pratica-se o controlo desse objeto quase exclusivamente com os membros inferiores, que, em simutâneo, são usados para o equilíbrio e deslocamento do atleta. Além disso, o jogo desenvolve-se num plano inferior, que pode dificultar a visão de jogo. Portanto, quando existe uma falha na resposta motora, é fundamental distinguirse foi por uma leitra inadequada ou se a incapacidade é física ou técnica.


 

       Frequência das concretizações: Por vezes, equipas pequenas conseguem  bons resultados resultados contra equipas maiores, pois a relação entre as ações de ataque e o êxito é de 50 para 1. Seja no treino, seja no ensino do futebol, este fator não significa que se deva dar pouca atenção à finalização. Antes pelo contrário, deve ser criado um grande número de situações de finalização, pois pode levar o praticantente a perder de vista o objetivo do jogo, concentrando-se mais nas transições que no ataque,


 

       Colocação dos alvos: No futebol, o limite são as balizas, que estão colocadas na vertical. Assim, em função da posição ou ângulo do jogador com a baliza, diferem as noções da conquista e defesa do eixo do terreno, do jogo direto e indireto e a abertura ou fecho dos ângulos para o remate,


 

       Terreno do jogo: Existem linhas que marcam os limites ou partes do terreno do jogo. Mas dentro desse espaço, existem àreas qu não estão assinaladas. Verticalmente ou longitudinalmente temos os corredores central e laterais e transversalmente ou horizontalmente temos o setor baixo, o médio e o setor alto. Estas àreas podem definir o foco no passe para a progressão da bola ou a zona de marcação em função do modelo de jogo adoptado.


       Princípios de jogo: São quatro princípios de ataque e quatro de defesa, e seguem esta ordem, aproximadamente: penetração, contenção, cobertura defensiva, cobertura ofensiva, mobilidade, equilíbrio, concentração e espaço. É muito importante que o atleta saibam distinguir quando deve atacar e/ou defender. No futebol existe uma relação de oposiçãp/cooperação que se manifesta segundo as componentes fundamentais da tática: as fases, os princípios, os fatores e as formas.

       O ataque e a defesa têm objetivos diferentes. No ataque busca-se o golo, seja de forma direta ou indireta. Na defesa é ao contrário: não se pode sofrer golo, seja de forma ativa ou passiva.

       Para atingir essas metas, os jogadores devem procurar seguir os princípios gerais e específicos. Os primeiros levam a que os jogadores procurem a superioridade numérica nas zonas de disputa de bola, e os específicos a que trabalhem cada situação. Já referi os 8 princípios de jogo, mas os de ataque são: a penetração, a cobertura ofensiva, a mobilidade e o espaço. Os princípios de defesa são: contenção, cobertura defensiva, equilíbrio e concentração.

       E agora a pergunta: como aplicar esses princípios? Eis a resposta: os atletas servem-se de diversos meios, nomeadamente os fatores. Os fatores de ataque e de defesa dividem-se em ações individuais, ações coletivas elementares e ações coletivas complexas.


       Condicionantes pedagógicas: No ponto de vista educativo, o futebol desenvolve distintas habilidades e capacidades, tendo também como objetivo ensinar esse jogo como realidade cultural. Quando se ensina futebol deve-se ter em conta o recurso a fatores motivacionantes. Esses fatores são situações que o jovem jogador se depara com os ingredientes fundamentais do jogo, que são: a bola, a oposição, a cooperaão, a escolha e a finalização.


       As tarefas dos jogadores: Do ensino do futebol faz parte a implantação de regras de ação específica demodo que o cumprimento das finalidades e dos objetivos esteja assegurado no que diz respeito às fases do jogo. Refiro-me a disciplina e essas regras devem ser experimentadas e treinadas diariamente.


       Contrução de situações de ensino/aprendizagem: essas situações devem ter em conta o nível de desenvolvimento do praticante e as exigências do jogo. Dentro dessas situações existem variáveis de evolução, que permitem induzir  transformação na configuração do jogo. Parte dessas variáveis são: a bola, o terreno, as regras, o número de jogadores etc.


       Confira alguns artigos relacionados:

Categories: Treino

Post a Comment

Oops!

Oops, you forgot something.

Oops!

The words you entered did not match the given text. Please try again.

Already a member? Sign In

0 Comments